Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jaguar Perfumado

aqui... asas para voar, raízes para regressar e motivos para ficar! - Dalai Lama -

Jaguar Perfumado

aqui... asas para voar, raízes para regressar e motivos para ficar! - Dalai Lama -

Qui | 20.02.20

Profundidade light

Frankie

viagem do elefante.jpg

Começo a notar que as pessoas, em geral, não gostam de assuntos profundos. Procuram leveza nos temas. Isto explica o sucesso de autores como, por exemplo, é o caso da Margarida Rebelo Pinto em detrimento de tantos outros, tão mais ricos mas também tão mais exigentes.

A profundidade caiu em desuso, não está na moda. Profundidade implica peso, tempo, dedicação e claro, as pessoas não tem disponibilidade para isso. Querem antes questões leves, superficiais, fúteis e banais, que não requerem esforço, não implicam envolvimento. Leituras leves são uma forma de desligar e descontrair, desfocam da realidade, transportam para outra, revitalizam, regeneram a beleza, e não é isso que todos procuramos?

A força da dinâmica diária, pessoal, familiar ou profissional já são por si só um peso, de uma profundidade imensa, faz falta desfocar, faz falta espairecer, esvaziar a cabeça com ligeirezas, temas que não ocupem espaço, não acrescentem peso. Leituras fáceis que se possam ler na diagonal e mesmo assim chegar ao fim com a mensagem toda, que não impliquem trabalho de casa, que não representem bagagem em excesso.    

Tenho notado que agora é assim no que diz respeito a tudo. Só que pode ocorrer que na busca obstinada de ligeireza corramos o risco de nos perdermos, percamos a capacidade de parar para refletir, para nos dedicarmos ao pormenor, àquele detalhe que acrescenta valor e confere essência e identidade.         

Não sei se Gabriel García Márquez teria sucesso hoje com o seu livro “100 Anos de Solidão”, um livro lindo mas de tal forma profundo que nem eu consegui terminar, mesmo já bem perto do fim. Será que Tolkien teria hoje a mesma projeção, sem os filmes para aligeirar? Alguém lê, ainda, estas obras? É possível que alguém consiga dedicar o tempo necessário para ler estes livros? Suspeito que muito poucos, daí a produção e o sucesso dos filmes.
O tempo ganhou outra dimensão, já não é a mesma de há uns anos atrás.

Hoje tudo urge, tudo surge, tudo corre, não se perde tempo com coisas profundas, isso requer muito tempo, muito devoção. Implica investimento, implica empenho. Implica dar sem garantia de que se recebe algo em troca.

Mas, afinal, o tempo é vazio, vale pelo fim que lhe damos. As perguntas que se impõem: – para onde vamos e quem seremos quando lá chegarmos? Ganhamos ou perdermos com o tempo despendido em superficialidades? Há que ser criterioso, procurar o equilíbrio.

Perder peso pode ser arriscado, tem de ser ponderado. Perder peso, sim porque é saudável, mas com critério, nem tudo o que é light é o mais indicado. 

 

 

13 comentários

Comentar post