Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Jaguar Perfumado

aqui... asas para voar, raízes para regressar e motivos para ficar! - Dalai Lama -

Jaguar Perfumado

aqui... asas para voar, raízes para regressar e motivos para ficar! - Dalai Lama -

Sex | 28.02.20

Vida fácil?! O que acha Isabelinha?

Frankie

ab5f96ac2ee29262b91350e0fffefc3a.jpg
photo credit @https://diascaes.blogspot.com/search?q=feliz+natal

Acham que a vida dos outros é fácil? Pois bem que o diga a Isabelinha que agora nem os ordenados consegue pagar depois do arresto dos seus bens e contas bancárias.

Ah pois é, a vida não é fácil… até a Isabelinha já percebeu!! As coisas mudam e mudam muito rapidamente, o que ontem era, hoje já não é bem assim e amanhã, será totalmente diferente.

Temos a tendência para pensar que a vida das outras pessoas é sempre mais fácil mas, tudo não passa de um tremendo equívoco. Todos temos e passamos por adversidades, dificuldades e, nestes momentos, a tendência é para acharmos que se tivéssemos outro papel, encarnássemos outra personagem, com outro enquadramento, toda a nossa vida seria mais serena.

Todos nós enfrentamos diversas adversidades ao longo da vida, vivemos num ambiente exigente, que requer muito de nós e nem sempre é fácil encarar, seguir, encontrar a saída mais direta.

Vitimizar-nos pode parecer uma saída, mas ilusória porque não nos leva a lado algum, consiste apenas em mais uma forma de ganhar tempo. A saída terá sempre de passar pela decisão de “encarar o touro” de frente, sem receios. O pior desfecho é ficar encalhado. Nada pode ser mais inútil do que não reagir, do que não ter a capacidade para procurar uma saída.

A vida não é fácil, e isto é verdade para todos, por mais oportunidades que tenhamos no mesmo ponto de partida. A diferença está, sobretudo, na capacidade que cada um tem em enfrentar e avançar perante estas dificuldades.

Eventualmente colocamos muitas expetativas no desfecho, esperamos sempre muito de tudo, talvez porque façamos demasiado esforço, ou porque nos empenhamos excessivamente, mas nem sempre corre bem e, se formos muito rígidos, a desmotivação pode levar a melhor. É preciso ter espaço de manobra, jogo de cintura, capacidade para ajustar. Os planos não passam disso mesmo, são planos, que podem ou não, concretizar-se. É bom não perder o pé. Ter um plano A, um plano B e eventualmente um plano C, pode ajudar, mas seja ele A, B ou C, são sempre, única e simplesmente, planos, cenários de possibilidades que podem ter viabilidade ou não. As variáveis são inúmeras e incrivelmente mutáveis no espaço e no tempo, impossível controlar todas. A “planologia” facilita mas não sendo uma ciência exata, deve guardar um bom espaço de manobra para ajuste e adaptação. Pensar por defeito que ter um plano é ter controlo, que significa conhecer o desfecho, é por si só o maior erro de base, próprio de principiante ou de um super-herói. Só cabecinhas jovens e imaturas ou arrogantes e prepotentes podem ter esse nível de aspiração. A idade pode ser, em muitos casos, um perfeito aliado.

Com a idade, mas também com a experiência de vida vamos ganhando novas verdades, o jogo das probabilidades ganha uma dinâmica até aí entorpecida. Aprendemos a jogar, aprendemos a manipular, ficamos mais elásticos, encaramos a flexibilidade como um verdadeiro dom, um aliado fundamental. É a capacidade que desenvolvemos para dançar, para saborear o vento e aproveitar cada onda de calor que inesperadamente se atravesse, gerir imprevistos.

- Isabelinha sei que, naturalmente, se encaixa na categoria dos super-heróis, mas ainda assim, mesmo aí no alto do seu pedestal, aproveite e tome nota… de mim para si.